Bem-vindo à página oficial do IICT

Nota à navegação com tecnologias de apoio

Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação: motor de busca (tecla de atalho 1) | Saltar para o conteúdo (tecla de atalho 2)
30 de Março de 2017
Pesquisa Search
Vídeos
Noite Europeia dos Investigadores no IICT
Para fazer download do Flash Player, clique aqui.

Realização: IICT

Data: 2013

Produção: Tv Ciência

Sinopse:

Uma maior ligação dos investigadores ao ensino entre Portugal e África foi tema de debate na Noite Europeia de Investigadores, promovida pelo Instituto de Investigação Científica Tropical, onde se concluiu haver grande espaço em África para que cientistas europeus, e em especial portugueses, se possam fixar.

Contextualização:

A Noite Europeia dos Investigadores (NEI) é o pretexto que leva investigadores do Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT) ao debate sobre investigação e ensino superior na perspetiva da parceria entre instituições portuguesas e africanas.

 

Desde 2005, ano em que a Noite Europeia dos Investigadores foi instituída pela Comissão Europeia, que o IICT tem vindo a promover a divulgação científica e debates entre cientistas e o público.

 

A importância do evento, e sobretudo da ciência, levou o Primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho a endereçar uma mensagem a todos que no IICT vivem a noite de ciência. Uma mensagem lida pelo ex-Secretário de estado da cooperação, Luis Brites Pereira, antes de dar início ao debate.

 

«Tal como no ano passado envio uma mensagem de felicitações ao IICT pela organização da Noite Europeia dos Investigadores. Desde 2005, esta iniciativa da Comissão Europeia vem acontecendo na última sexta-feira de Setembro para promover o diálogo entre cientistas e cidadãos de idades diferentes e o IICT acolheu desde o início esta iniciativa no lindo Jardim Botânico Tropical».

 

«Neste evento os investigadores do IICT entusiasmam-se na divulgação da investigação que fazem em Portugal em prol do conhecimento mútuo em particular nos países africanos e de Timor, com os quais cooperam ativamente em áreas científicas chave como a agricultura, florestas, biodiversidade, história e coleções científicas», referiu o Primeiro-ministro em mensagem.

 

Na mensagem, o Primeiro-ministro faz ainda referência aos 130 anos do IICT. «No dia em que passaram 130 anos sobre a sua criação foi aprovado um relatório sobre o futuro do IICT, onde se recomenda uma aproximação às universidades de Lisboa, reforçando a sua presença em redes lusófonas, europeias e globais. Não espanta por isso a escolha para este ano do Colóquio Saber Tropical: Tropical Knowledge, “Investigação e Ensino Superior na perspetiva da parceria entre instituições portuguesas e africanas”, para o qual estão convidados representantes diplomáticos de países africanos».

 

«Também fazem todo o sentido, as sessões no seguimento das borboletas de Angola, publicação que tanto encanta quem a contempla e que também assenta numa parceria da Universidade do Porto. Borboletas, alimentos, plantas, etc. Como no ano passado espero sinceramente que aproveitem aprendendo e contribuindo para a afirmação da ciência produzida em Portugal no espaço lusófono, europeu e global», referiu Pedro Passos Coelho. 
  

Para introdução do debate, António Rendas, Reitor da Universidade Nova de Lisboa (UNL), destaca a importância da internacionalização das Universidades e de uma maior ligação entre o ensino superior e a ciência.

 

«Temos procurado projetar as universidades portuguesas no mundo e isso deriva do esforço de muita gente, mas acho que talvez seja importante pensar é que se nós alavancarmos a ciência com o ensino superior, talvez seja possível alavancar ainda mais», afirmou António Rendas.

 

«Acho que Portugal beneficia muito se nós cruzarmos a ciência com o ensino superior, por uma razão muito simples, é porque a investigação científica tem muito a ver com a resolução de problemas», afirmou o Reitor da UNL e acrescentou que «estou convencido que a investigação científica, qualquer que ela seja, tem de ter uma sólida base das ciências puras, da matemática, da física, da biologia, mas tem que ter uma perspetiva muito ligada à análise de problemas ou de como resolver problemas e este contributo é um contributo muito interessante que a NEI aborda».

 

Sobre o tema em debate, o Reitor da UNL considera que é um desafio, sobretudo para os investigadores do IICT.

 

«É muito interessante que haja grandes temas que possam ser abordados de uma forma muito virada para a análise, para o desenvolvimento social e económico do país. E o tema tropical é um tema muito interessante, olhar para os trópicos de uma forma global, acho que é um grande desafio» e nesse sentido, «o trabalho do IICT que tem muito a ver com isso, e os cientistas do IICT podem ter aqui um desafio muito grande», afirmou António Rendas.

 

Falar de ensino superior e ciência nos trópicos, em especial em África, levou António Rendas a abordar a questão do brain drain ou fuga de cérebros.

 

«Mais de 90% dos profissionais altamente qualificados que estão no continente africano, muitos deles vêm para a Europa e eu isso não creio que seja necessariamente mau, o que é mau é o que eles deixam um vazio nos seus países», afirmou.

 

Assim, acrescentou o Reitor da UNL, «olhar para os trópicos no sentido mais lato é uma responsabilidade de todos nós e há aqui um enorme desafio que é ligar a investigação científica à formação, que é um desafio que às vezes os cientistas não gostam, os cientistas dizem claramente: “este é o meu território, é o meu compartimento, isto é para desenvolver a ciência”».

 

Convidada para o debate, Keitumetse Matthews, Embaixadora da África do Sul em Portugal, partilha da preocupação, até porque os dados revelam que 14% da população mundial vive em África, mas menos de 1% dos cientistas trabalha no continente.

 

«Muitos destes países não têm muitos recursos, pagam muito dinheiro para educar estas crianças e depois elas vão-se embora para outro lugar. Mas também como país reconhecemos que estes jovens pertencem ao mundo, que eles têm de sair, têm de ter experiências noutros locais, têm de voltar como melhores profissionais», explicou a Embaixadora.

 

No entanto, acrescentou Keitumetse Matthews, «por exemplo na África do Sul estamos a embarcar num Sistema Nacional de Saúde e queremos ter um Sistema Nacional de Saúde gratuito», por isso, «produzimos muitos médicos nas nossas universidades, mas existem 26 mil médicos formados na África do Sul que estão na Europa, Canadá, Austrália e Reino Unido», pelo que «precisamos de substituir esses médicos».

 

E neste sentido, a Embaixadora deixou uma mensagem a Portugal. «Vamos bater à vossa porta porque vocês têm (médicos) em excesso e estão a ir embora e esperamos que eles vão-se embora na nossa direção e não para Canadá, Austrália e Reino Unido, porque nós precisamos mais do que eles», afirmou Keitumetse Matthews.

 

África tem plano de acção definido para a C&T

  

Atualmente África conhece as vantagens e os constrangimentos para o desenvolvimento científico e possui áreas estratégicas de investigação e inovação, definidas pelo Conselho Ministerial da Ciência e Tecnologia da União Africana.

 

A Embaixadora da África do Sul explica que para «aqueles que querem colaborar em parceria, o Conselho desenvolveu um Plano de Ação Consolidado (CPA) para o continente no que se refere à C&T com objetivos claros e projetos identificáveis. Os dois grandes objetivos são, em primeiro lugar, permitir que África se aproprie da ciência, tecnologia e inovação por forma a erradicar a pobreza e alcance o desenvolvimento sustentável. Em segundo lugar, assegurar que África contribua para o aumento global do conhecimento científico e da inovação tecnológica».

 

O CPA envolve três áreas prioritárias: «investigação e desenvolvimento, melhoria das condições políticas e construção de mecanismos de inovação, implementação, governação e financiamento», afirma Keitumetse Matthews.

 

Programas em áreas tão diversas como biodiversidade, biotecnologia, saúde, energia, água e desertificação, ciências dos materiais, Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), espaço e tecnologias e ciências da matemática, entre outras, que para a Embaixadora são áreas a explorar.

 

«Penso que é muito importante para Portugal olhar para os Planos que a União Africana fez através dos Comités Ministeriais e ver onde se encaixa em algumas coisas que são necessárias. Portugal fez muito trabalho nos assuntos relacionados com o cancro, a diabetes, têm o Instituto Champalimaud, o Instituto Gulbenkian, o Instituto Biomédico no Porto. Portanto, acho que já têm os valores de referência para abordarem os países africanos e oferecerem as parcerias que estão disponíveis», referiu.

 

A Embaixadora disse ainda que «quando se tem um projeto que é credível, é muito mais fácil para eles (países africanos) encontrarem o financiamento e financiá-lo». Keitumetse Matt O debate animou os participantes e as questões abordadas foram muitas.

 

Bruno Maçães, Secretário de Estado dos Assuntos Europeus também se associou à NEI promovida pelo IICT.

 

«Quero dar os parabéns quem organizou a iniciativa, quero dar os parabéns ao Instituto, acho que representa o que melhor existe na nossa vocação cosmopolita do país, criado para expandir o conhecimento de África Tropical no final do século XIX e esta iniciativa é particularmente feliz porque reúne estes dois grandes cosmopolitismos portugueses - o africano e o europeu – a NEI que um pouco por toda a Europa os investigadores se encontram, trocam impressões», referiu o Secretário de Estado dos Assuntos Europeus.

 

Sobre o intercâmbio académico entre a Europa e África, Bruno Maçães referiu que chegou o momento de ser reforçado. «Estive muito envolvido em iniciativas de intercâmbio académico e pude reparar que o intercâmbio em instituições africanas está ainda quase inteiramente por realizar e que o intercâmbio entre a Europa e os EUA é muito forte, entre a Europa, os EUA e a Ásia desenvolveu-me muito nos últimos 20 anos, e acho que agora chegou o momento de desenvolver o intercâmbio com instituições de ensino superior africanas».

 

E Instituições como o IICT desempenham neste intercâmbio um importante papel, já que «trabalhar em projetos de investigação académica, apoiar financeiramente estudantes africanos que queiram estudar em Portugal e vice-versa, estudantes portugueses que queiram estudar em universidades africanas, é fundamental e é um papel em que o Instituto pode continuar a fazer o excelente trabalho que tem feito», afirmou Bruno Maçães.

 

Divulgação do património e atividades para os mais jovens
  

Com um vasto património científico sobre as antigas colónias, o IICT tem vindo a proceder à preservação e conservação, e agora também à divulgação.

 

E a NEI serviu para que o público pudesse conhecer algumas das coleções históricas e científicas, como sejam as coleções etnográficas oriundas das missões antropológicas entre 1936 e 1956, realizadas pela antiga Junta de Investigações Coloniais a Moçambique.

 

E um conjunto de artefactos oriundos da Guiné, recolhidos no âmbito da Missão Antropológica e Etnológica à Guiné que decorreu em duas campanhas, entre 1946 e 1947.

 

Entre diversas atividades, ‘As Borboletas nos Alimentos: Traça o futuro’ foi o mote para os mais jovens observarem o impato das larvas nos cereais, neste caso, no milho.

 

Mas a NEI promovida pelo IICT, no Jardim Botânico Tropical, é também um espaço para as tradições, para a música e para a dança e o público pode ainda assistir a uma Roda de Capoeira.
 

© 2007 IICT - Instituto de Investigação Científica Tropical
Rua da Junqueira, n.º 86 - 1º, 1300-344 Lisboa | Tel: 21 361 63 40 | Fax: 21 363 14 60 | email: iict@iict.pt