Bem-vindo à página oficial do IICT

Nota à navegação com tecnologias de apoio

Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação: motor de busca (tecla de atalho 1) | Saltar para o conteúdo (tecla de atalho 2)
24 de Abril de 2017
Pesquisa Search
Ciência Viva
IICT participa nos estágios “Ciência Viva no Laboratório – Ocupação Científica de Jovens nas Férias”

O IICT associou-se ao Programa “Ciência Viva no Laboratório – Ocupação Científica de Jovens nas Férias” de 2013 realizando vários estágios científicos.

 

No Grupo Terra & Ecossistemas: Observação, Uso e Sustentabilidade, do Jardim Botânico Tropical, a cargo do investigador Fernando Lagos Costa, decorreu de 22 a 27 de Julho o estágio “A leitura da paisagem dos mapas aos trabalhos de campo e análises de laboratório”, na área vocacional de Geografia, Geomorfologia.

 

Esta atividade contou com três estagiários dos domínios das Ciências e Tecnologias, Ciências Sócio Económicas e Línguas e Humanidades que se revelaram assíduos, motivados e participativos, questionando e discutindo vivamente os temas científicos tratados.

 

Ciencia Viva Estagios - FLC 1

 

Apresentaram-se métodos de pesquisa, recolha e análise de documentos cartográficos e bibliográficos em geomorfologia. Abordaram-se as técnicas de interpretação da paisagem, de observação das formas de relevo e de leitura de bases cartográficas de apoio. Deram-se noções de análise de mapas de base e temáticos no gabinete, contemplando coordenadas, escala, leitura de mapa, aspetos gerais de morfologia, técnicas de elaboração do perfil topográfico e esboço morfológico. Breve iniciação aos registos de informação geomorfológica no campo e aos métodos de análise de cortes no terreno e de colheita de amostras de sedimentos. Noções básicas sobre rochas sedimentares detríticas (granularidade, calibragem, desgaste e seleção mineralógica) e sobre tratamentos laboratoriais da composição fundamental. A interligação entre os resultados obtidos indiretamente, pela interpretação de mapas, e os conseguidos por observação direta de campo permitiram enfatizar a importância da interpretação da paisagem, em geral, e das formas de relevo, em particular, para o ordenamento do território.

 

Ciencia Viva Estagios - FLC 2

 

Selecionou-se como área de estudo os vales do Tejo e o de Alcântara em Lisboa.
Nessa área observaram-se as principais formas de relevo e os contrastes espaciais entre as condições de declive, topográficas e morfológicas e avaliou-se a importância dos principais tipos de rochas e da sua estrutura como fatores explicativos desses contrastes. Para o efeito analisaram-se os mapas topográficos e geológicos locais e elaboraram-se perfis topográficos, esboços de declives e morfológicos, no gabinete. Analisaram-se amostras de rochas detríticas provenientes da margem esquerda do vale do Tejo para caracterizar o tipo de rochas.

 

Ciencia Viva Estagios - FLC 3

 

Efetuaram-se observações e registos de campo de elementos da paisagem, em termos globais, das formas de relevo, dos tipos de rochas e seu comportamento estrutural, bem como das relações com a ocupação humana do espaço.

 

De 8 a 12 de Julho 2013 decorreu o estágio intitulado “Os Sistemas de Informação Geográfica e as imagens de satélite nas Ciências Geográficas”. Este estágio, da área vocacional de Tecnologias, teve como responsável a Investigadora do IICT Maria do Carmo Sequeira Nunes, do Grupo Terra e Ecossistemas: Observação, Uso e Sustentabilidade do Jardim Botânico Tropical.
 
O objetivo do estágio foi sensibilizar e dar a conhecer aos alunos a importância das tecnologias de informação geográfica, como os Sistemas de Informação Geográfica e as imagens de satélite, de grande utilidade nas mais variadas áreas científicas.
 
O estágio consistiu na implemetação de um Sistema de Informação Geográfica (SIG), com a aquisição da informação espacial, a conversão da cartografia para formato digital e a sua georreferenciação para um sistema de coordenadas. Foi produzido um modelo digital do terreno (3‐D) e os mapas derivados deste, como os mapas de declives, hipsométrico e de exposições, com recurso ao software de SIG, ArcGIS.
 
MCN

Modelo Digital do Terreno obtido das curvas de nível por triângulação e imagem de satélite

 

Ainda no mesmo grupo, Terra & Ecossistemas: Observação, Uso e Sustentabilidade, do JBT, a cargo da investigadora Ana Isabel Rosa Cabral decorreu de 29 de Julho a 2 de Agosto o estágio “O ambiente tropical visto através de mapas e imagens de satélite”, na área vocacional de Deteção remota e Sistemas de Informação Geográfica.

 

A atividade contou com a participação de três estudantes da área de Ciências e Tecnologias que se mostraram bastante motivados, participativos e assíduos.

 

AC1AC2

 

Foram apresentados vários temas no decorrer do estágio nomeadamente, uma breve introdução aos Sistemas de Informação Geográfica (SIG), com ênfase nos vários dados usados, bem como, nas escalas dos dados cartográficos. Foi feita uma breve análise da leitura dos vários mapas topográficos e temáticos, e identificadas as principais variáveis físicas e geológicas a serem extraídas para incorporação da informação nos SIG. Mostrou-se como converter a informação analógica para formato digital, identificando-se as coordenadas e o datum respetivo do mapa escolhido, procedendo-se em seguida à sua georreferenciação através do software ARCGIS.

 

Após a georreferenciação do mapa, foram apresentadas diferentes formas de digitalizar as variáveis físicas (estradas e cidades) identificadas no mapa georreferenciado e através do GoogleEarth.

 

Mostrou-se que uma das formas de representar a superfície terrestre é através de uma distribuição espacial contínua das variáveis de altitude de uma determinada área construída a partir de curvas de nível e pontos cotados. A estas representações chamam-se modelos digitais do terreno. Foram feitas várias representações tridimensionais e obteve-se o mapa de declives que permitiram ter um conhecimento mais aproximado dos declives do terreno.

 

 

O estágio incluiu, também, uma introdução à Deteção remota, uma técnica que permite obter informação sobre a superfície terrestre através da análise de dados recolhidos por um dispositivo que não está em contato com o objeto em estudo. Foram dadas noções de como obter as imagens que estão disponíveis em diferentes locais na internet, como fazer mosaicos de imagens de satélite e extrair informação da imagem a partir de zonas homogéneas representativas dos diferentes tipos de ocupação da superfície (classes temáticas).

2013-08-08
© 2007 IICT - Instituto de Investigação Científica Tropical
Rua da Junqueira, n.º 86 - 1º, 1300-344 Lisboa | Tel: 21 361 63 40 | Fax: 21 363 14 60 | email: iict@iict.pt